Sucesso

Eu lembro bem do tempo em que eu era criança e sonhava com uma casa enorme, uma piscina enorme, móveis enormes e comodidades facilmente acessíveis com 1 ou 2 cliques. Eu estava em formação e reproduzia o ideal de sucesso que via nas novelas e informes publicitários.

O mundo real dos adultos no meu entorno reforçava esse condicionamento de satisfação pessoal na relação de direta proporcionalidade com o acúmulo material. Quando me aconselhavam a manter a disciplina nos estudos ou mesmo elogiavam meu boletim escolar, invariavelmente o discurso era finalizado com um “esse vai vencer na vida”.

Desenvolvi minha carreira acadêmica norteado por esses princípios da vitória a qualquer custo, mesmo quando nauseava e sentia o coração angustiado no intervalo das aulas da faculdade ao realizar a falta de um propósito mais profundo na minha caminhada.

Apenas quando percebi o mal que a ideia de “vencer na vida” me causava, eu passei a questionar sem tantas amarras o que isso significava no contexto social e, mais importante, o que isso significava para mim. Ainda estou nesse processo investigativo mas já posso afirmar que consigo respirar melhor desde que vislumbrei a possibilidade de desenhar uma trajetória de sucesso individual que não se atém a fórmulas prontas e expectativas alheias.

O sucesso tem um significado próprio para cada um e isso devia ser a primeira coisa a ser dita a uma criança. Quem sabe assim aquela dentista que na verdade queria ser pintora ou aquele administrador que queria ser instrutor de yoga teriam conseguido reunir e organizar melhor suas forças internas no sentido da concretização dos seus sonhos?

O meu conceito particular de sucesso passou a ter um propósito mais apaixonado desde que o desvinculei de aquisições de capital e poder. Uma das minhas metas pessoais é assumir meu desejo genuíno de causar benefícios e não gerar confusão sem ter que vestir a roupa de ursinho carinhoso deslocado de seu próprio tempo. O legal dessa meta é que não preciso de MBA, workshops ou simpósios para alcançá-la. Na maioria das vezes só é preciso fazer o bem a uma única pessoa no período de um dia. Já é o suficiente para dormir o sono dos bem-sucedidos.

Texto: Adonis Carvalho

Escrevo uns rabiscos desde que me lancei na aventura de procurar me entender neste mundo, prática que me fez sobreviver aos intervalos tediosos das aulas de Cálculo na Faculdade de Engenharia. Vi toda minha vida se transformar desde que decidi dar o primeiro tímido passo rumo a uma dieta alimentar saudável. Meu interesse pela culinária natural é uma reação aos sustos que tomava quando passei a ler com atenção os rótulos dos ultra processados multicoloridos dos supermercados. Acredito na força e na beleza da vida e amo profunda e verdadeiramente este planeta Terra.

Ilustração: Thi Garcia

Sou fascinado pela beleza do nosso Planeta, doido por experimentar e descobrir todas as cores, aromas e sabores que a Natureza guarda. Vejo o mundo como uma criança que nada entende, mas tudo quer aprender. Através das mãos, dou vazão à criatividade que batuca na minha cabeça, desenhando, pintando, costurando, cozinhando ou construindo.A ideia de parar de comer carne foi a primeira tesourada para cortar as amarras de todos os paradigmas que me impedem de alçar voo neste Universo, compreendê-lo e tomar consciência do meu papel como parte Dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *