Memórias

Costumo pensar que nossa maior riqueza são nossas memórias. Todas elas. As pessoas experimentam o mundo à sua única maneira e por isso sou fascinado pelo que cada um carrega das suas vivências.

Eu gosto do mistério que há sobre o que poderá, hoje, ativar uma lembrança do que aconteceu há 2, 5 ou 10 anos. Se aquele único acorde de uma música, uma simples palavra ou um aroma. Quando uma memória surge, traz consigo um mundo de emoções que atravessam nossos sentidos; olhos enchem d’água, a boca esboça um sorriso, os pelos se eriçam, tudo em nós se move na tentativa de corporificar o etéreo.

Quando eu era criança, apesar de viver cercado de amigos e com eles andar com bastante liberdade pelas ruas do bairro, não via maiores problemas (na verdade até gostava) de ficar sozinho por longos períodos, vivendo a diversão do meu mundo interno.

Percebo que há um ponto em comum nas memórias que carrego comigo: todas elas se fixam nos elementos mais triviais das experiências. Tenho uma vaga lembrança, por exemplo, das circunstâncias em que eu, minha irmã e dois tios pegamos um dilúvio repentino enquanto voltávamos de um passeio à noite, mas lembro vivamente do cheiro e do gosto do chocolate quente que eles nos deram quando chegamos em casa. É maravilhoso como essa memória quase sempre surge aparece pra mim em noites chuvosas.

Canções e cheiros em geral tem um poder maior de ativação de lembranças inesperadas. É comum que eu, ao andar pelas ruas e passar por alguém usando um perfume que já usei no passado, me reporte diretamente às circunstâncias gerais do período em que também usava o perfume.

Certa vez li uma reportagem que falava que um grupo de estudiosos concluiu que viver experiências tem maior potencial de nos trazer felicidade do que acumular patrimônio material. Pra mim isso não era exatamente uma descoberta, mas fiquei satisfeito em ver minha percepção individual ser validada após uma análise do coletivo.

Que possamos dedicar uma boa dose de energia para cuidar do nosso patrimônio memorial porque, ao que parece, este é o investimento com a relação mais vantajosa entre riscos e benefícios.

Adonis Carvalho

Escrevo uns rabiscos desde que me lancei na aventura de procurar me entender neste mundo, prática que me fez sobreviver aos intervalos tediosos das aulas de Cálculo na Faculdade de Engenharia. Vi toda minha vida se transformar desde que decidi dar o primeiro tímido passo rumo a uma dieta alimentar saudável. Meu interesse pela culinária natural é uma reação aos sustos que tomava quando passei a ler com atenção os rótulos dos ultra processados multicoloridos dos supermercados. Acredito na força e na beleza da vida e amo profunda e verdadeiramente este planeta Terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: