Infusão, macerado, tintura: métodos para aproveitar todos os benefícios das plantas

Infusão, macerado, tintura: métodos para aproveitar todos os benefícios das plantas

No meu último texto, abordei os benefícios de fazer uso das propriedades de algumas ervas em rituais de beleza, cuidado e bem estar; e citei algumas daquelas que facilmente são encontradas nas gôndolas de chás dos mercados, para mostrar o quanto é acessível se fazer de alquimista de vez em quando. Muitxs de nós já temos o costume de fazer chás, seja para tratar alguma dor, desconforto ou apenas para esquentar as noites frias, mas será que você faz seu chá, ou infusão, da maneira correta? Conhece outros meios para obter o máximo proveito das propriedades das ervas? Não? Pois então continue por aqui, que responderei a várias dúvidas sobre os métodos mais utilizados para obter o princípio ativo das plantas, que servirá de base para diferentes aplicações.

Para obter o princípio ativo de ervas, sementes, raízes ou plantas em geral, precisamos obrigatoriamente de uma substância solvente, que tem justamente a função de dispersar outra substância em seu meio. Assim, os princípios ativos que são intrínsecos a cada erva passam para o meio solvente e dessa forma temos maiores possibilidades de uso.

Infusão:

Na infusão, o meio solvente é a água quente, o famoso chazinho. Utilizada principalmente em plantas ricas em princípios ativos voláteis e com aromas delicados.

Para esse método, você ferve uma quantidade de água necessária para, ao menos, cobrir por completo a quantidade de ervas escolhidas. A proporção entre ervas e água vai depender de quão concentrado você pretende que seja seu produto final. Enquanto a água atinge a fervura (não usar micro-ondas, ok?), prepare as ervas picando-as em pequenos pedaços, coloque-as em outro recipiente, despeje a água já fervida e o tampe em seguida. É importante que o recipiente permaneça tampado de 5 a 10 minutos. Depois desse período, coe a solução com as ervas e utilize sua água em até 12 horas.

A infusão é um método fácil e rápido, mas de baixa eficiência, por isso não é adequado para extração de princípios ativos de cascas, caules, algumas raízes e sementes.

Maceração:

É um processo a frio, no qual usamos especialmente óleo como meio solvente. Indicado para preparação de plantas que sofrem alterações em suas propriedades quando expostas ao calor extremo.

Para obter um bom produto final da maceração, é de grande importância a escolha de um óleo vegetal de qualidade, que seja puro e prensado a frio. Atente para que as propriedades desse óleo se complementem com os princípios ativos da planta escolhida e que também seja compatível com o local a ser aplicado, por exemplo, se será usado para algum preparo para o rosto, corpo ou cabelo.

Para tal preparo, será necessário um pote de vidro com tampa e de preferência de boca larga, para facilitar a higienização e poder ser reutilizado em preparações futuras. Coloque a planta picada neste pote, cubra-a por completo com o óleo vegetal, mexa com um bastão de madeira ou bambu amassando as ervas com delicadeza e por fim tampe o recipiente.

Guarde o pote num armário em ambiente escuro e temperatura amena. Será necessário agitá-lo ao menos uma vez por dia de 20 a 30 dias. Após o término do período de descanso, seu óleo está pronto para ser coado, envasado e por fim utilizado. É importante envasar o óleo produto da maceração em frasco de vidro escuro (que pode ser âmbar, verde ou azul) para protegê-lo contra a oxidação.

A grande vantagem desse método é que podemos guardar o produto final por um maior período de tempo, de 6 a 18 meses, sabendo que o uso de plantas frescas vai acarretar num prazo de validade bem menor do que o de plantas secas. Verifique também o prazo de validade do óleo vegetal utilizado e sempre suspenda o uso de produtos que tenham tido alteração de odor, cor ou aspecto físico.

Tintura:

Também é um processo a frio, mas para este preparo utilizamos álcool como solvente. É o método utilizado na perfumaria botânica para o preparo de perfumes, aromatizadores e colônias. O álcool mais utilizado é o de cereais por ser mais delicado que o etílico, que é facilmente achado em mercados. Cuidado para não confundir.

O método de preparo da tintura é bem similar ao da maceração descrita anteriormente. Disponha ervas picadas num pote de vidro, utilize no máximo 1/3 do volume do pote com as ervas, preencha com o álcool de cereais a até dois dedos da boca do pote (em média usamos 200 gramas de planta para 1 litro de álcool), tampe e guarde em um armário escuro a temperatura amena. Também é interessante agitar o pote ao menos uma vez ao dia de 15 a 30 dias, então coe o preparo e então sua tintura estará pronta para o uso.

Guarde-a em garrafa de vidro que seja bem vedada para garantir que o álcool não evapore. A tintura tem prazo de validade média de 12 meses.

Um cuidado primordial para todas as preparações é a utilização de recipientes e utensílios bem higienizados e esterilizados para garantir que não aja contaminação e seu preparo final seja de qualidade. No mais, esteja abertx a novas experiências e descobertas!

E aí, sinto pessoas animadas para iniciar as alquimias?

Animadas mas talvez sem ainda saber ao certo como utilizar essas técnicas? Não seja por isso! Clique neste link e veja as dicas que foram dadas no meu último texto. 😉

Por hora, ficarei devendo as dicas de uso da tintura, apesar de já ter adiantado acima que é usada em perfumaria, seu uso voltará como tema exclusivo de um próximo texto.

Me despeço deixando para vocês a cereja do bolo! Plantas vibram em alta frequência, carregam boas energias e propriedades com grande poder curativo, esteja você também vibrando bons fluidos ao manuseá-las. Honre e agradeça a sabedoria que elas carregam. 😉

Charlene Andrade

Como uma autêntica geminiana, a curiosidade é o que me move. Engenheira mecânica de formação, venho atravessando um processo de transição e renascimento, a partir do qual floresceram a vegetariana, a permacultora, a pesquisadora em agricultura sustentável e ambiental e a produtora de cosméticos naturais. Sentindo que era necessário partilhar esse belo caminho, recentemente dei vida, literalmente, a uma das minhas paixões e criei a Vida Biocosméticos, espaço dedicado ao mundo da cosmética artesanal em respeito ao meio ambiente, aos animais, ao comércio justo, à saúde do nosso corpo e de Gaia – Mãe Terra.

 


Reader Comments

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: